Tempo

Até quando vai o frio e quando chega o calor?

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Até quando vai o frio e quando chega o calor? Este tem sido o questionamento mais recorrente em nossas redes sociais neste mês de outubro com uma sequência longa de dias de temperatura abaixo da média e muitos com abundante nebulosidade e chuva no Sul do Brasil, como um prolongamento do inverno que ainda não permitiu se instalassem as características típicas da primavera com tardes mais quentes e alguns dias de calor. Embora o começo da primavera ainda tenha características do inverno com alguns dias de frio e geada, estas jornadas frias costumam se intercalar com outras mais quentes e até de calor. Ocorre que o tempo frio ou ameno tem predominado com ausência de calor.

RECEBA NOTÍCIAS EU SEU WHATSAPP, CLIQUE AQUI

Embora o começo da primavera ainda tenha características do inverno com alguns dias de frio e geada, estas jornadas frias costumam se intercalar com outras mais quentes e até de calor. Ocorre que o tempo frio ou ameno tem predominado com ausência de calor.

RECEBA NOTÍCIAS DO ALTO VALE E SANTA CATARINA PELO TELEGRAM

Porto Alegre, por exemplo, terminou os primeiros dez dias deste mês com temperatura média 2ºC abaixo do que é normal para o mês de outubro e nenhum dia com máxima de 25ºC ou mais que é a média máxima histórica do mês. A última vez que a capital gaúcha teve uma tarde de calor, considerando um dia de máxima igual ou acima de 30ºC, foi em 12 de setembro com 30,4ºC. Serão, assim, mais de 30 dias seguidos sem nenhuma máxima acima dos 30ºC na cidade.

Esta é uma realidade que se estende às demais regiões do Sul do Brasil. Todo a parte meridional do país está com temperatura máxima abaixo ou muito abaixo da média até agora em outubro. No caso das mínimas, o Rio Grande do Sul registra temperatura mínima abaixo da média.

O que explica? O Rio Grande do Sul teve dias de tempo aberto na madrugada e alta frequência de massas de ar frio, resultando em mínimas e máximas abaixo da média. Santa Catarina e Paraná, ao contrário, tiveram vários dias com abundante nebulosidade e ainda sob influência de ar frio, o que determinou mínimas mais altas e máximas baixas para a época do ano.

E até quando o frio? A semana que começa terá no Rio Grande do Sul aquecimento na quarta e na quinta com máximas de até 30ºC em algumas cidades. Não será calor intenso e, ademais, durará muito pouco porque no final da semana volta a chover com mais uma frente fria que precede outra incursão de ar frio.

Ao longo do mês de novembro, muitos dias ainda devem ter temperatura abaixo da média, mas a frequência de dias de calor começa a aumentar. Não se desenha, portanto, um mês de novembro quente. Os dados hoje indicam que dezembro poderia ser mais quente, entretanto a possibilidade que esta projeção mude para um cenário mais perto da média ou abaixo é real.

Com a primavera mais fria no Sul do Brasil e a tendência de manutenção nas próximas semanas da temperatura abaixo da média na região, a chuva acaba sendo mais abundante em diversas áreas do Centro do Brasil, o que é positivo diante das crises hídrica e energética.

Mesmo no Sul do Brasil, o fato de a temperatura estar abaixo do normal implica menor uso de ar-condicionado, o que, com o alto custo da energia elétrica, contribui para a economia de luz.

Este padrão de temperatura abaixo da média nestas primeiras semanas da primavera ocorre por efeito do resfriamento do Pacífico Equatorial que levará a um outro episódio de La Niña, mas decorre, fundamentalmente, do que ocorre na Antártida.

A Oscilação Antártica entrou numa fase negativa, logo o cinturão de vento forte ao redor do continente gelado que mantém o ar frio sobre o Sul do planeta enfraqueceu. Como resultado, o jato polar ondula mais e frentes frias com ar frio na retaguarda avançam em maior número pela América do Sul.

Fonte: Metsul


Comente

banner-delta-ativa