SC

Autor da chacina em Saudades será transferido de presídio para hospital

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Fabiano Kipper Mai será transferido do Presídio Regional de Chapecó para o Hospital de Custódia, em Florianópolis. A decisão foi assinada nesta quinta-feira (25) e um ofício foi encaminhado ao hospital ainda nesta quinta-feira, solicitando que seja disponibilizada uma vaga para Kipper Mai em até 5 dias.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

A informação foi confirmada pelo advogado de defesa do autor, Demetryus Eugênio Grapiglia, ao Portal SCC10. Segundo o advogado, a decisão foi tomada com base no laudo do perito oficial, que constatou que Fabiano sofre de Esquizofrenia Indiferenciada que precisa de tratamento imediato.

De acordo com o laudo, na época dos fatos, Fabiano tinha consciência. Porém, essa informação também está sendo contestada pela defesa. Mas, nos dias atuais, Fabiano teria perdido a capacidade de entender a realidade. E por esse motivo, o caso se configura como Superveniência de Doença Mental, que é o aparecimento de sintomas psiquiátricos em um determinado indivíduo, após a prática de um fato criminoso.

De acordo com as informações do advogado, a justiça questionou se o Presídio de Chapecó teria condições de oferecer o tratamento que Fabiano precisa. Como o Presídio não possui tal condição, ele será transferido para o hospital.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

Desta forma, Fabiano Kipper Mai deve ficar no hospital por tempo indeterminado até se recuperar. “Muito provavelmente ele não vai a júri popular. Isso porque a doença dele não tem cura. Ele não pode permanecer no presídio mas também não pode viver em sociedade, por isso, ele vai receber tratamento no hospital”, disse o advogado.

A informação foi confirmada pelo Ministério Público de Santa Catarina.

O crime:

Na manhã do dia 4 de maio deste ano, o denunciado entrou em uma creche no município de Saudades, matou duas professoras e três bebês e tentou matar outras 14 pessoas, entre educadoras, funcionárias e crianças usando uma adaga que havia comprado pela internet especialmente para o ataque. O réu, que teria tentado se matar após o atentado, foi detido por populares e entregue às autoridades. Ele confessou o crime. O processo tramita em segredo de justiça.

Fonte: SCC10


Comente