Lontras

Autoridades querem reativar locomotiva em Lontras

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Depois de 50 anos desativada, a locomotiva de Lontras voltou à atividade nesse final de semana. Mas o pequeno percurso realizado pelo trem em cima de um caminhão foi apenas comemorativo, já que a Câmara de Vereadores do Município organizou uma moção de homenagem para três trabalhadores que fizeram parte dos 50 anos de história da rede ferroviária. Emanuel da Silva, Antônio Cunha e Acides Gonçalves foram agradecidos pelos serviços prestados e a população aproveitou para ver a magia do trem de volta depois de tanto tempo.

Grupos de notícias no WhatsApp ou Instagram

A recordação dos bons tempos em que a rede ferroviária do município era ativa e a vontade de preservar a memória ferroviária do Alto Vale fizeram com que a Administração de Lontras juntamente com a Associação Brasileira de Preservação Ferroviária Regional de Santa Catarina e o Tremtur abrissem um estudo para a reativação da linha. O prefeito, Marcionei Hillesheim, explica que esse é um anseio não somente dos munícipes, mas também dos empresários que vêem a oportunidade como fomento ao turismo, o que tende a gerar crescimento para as empresas.

O primeiro passo para buscar a reativação já foi dado, Marcionei explica que entrou em contato com o 1° Batalhão Ferroviário de Lages para que um representante e responsável visite o município e indique os ajustes e processos necessários para que a rede ferroviária volte a funcionar. “Agora a gente entrou em contato com o exército de Lages pedindo apoio na abertura e o exército se comprometeu. Deixaram avisado que não poderiam vir a Lontras no momento, mas se comprometeram de nos ajudar”, relata.

O prefeito indica que a máquina está em pleno funcionamento. O recurso para a compra de materiais para os trilhos, junto com a Tremtur, já foi buscado no final de semana com o deputado Jerry Comper. “No sábado esteve aqui o deputado Jerry, que deve estar em conversa com o Governo do Estado e também se comprometeu a ajudar financeiramente para que a gente possa fazer ajustes nos trilhos. No calçamento a gente está pensando em reativar essa linha até no bairro Riachuelo, um trecho pequeno mas que já é um começo”, conta.

A máquina que faz o percurso numa velocidade de 16 a 18 quilômetros por hora pode oferecer passeios turísticos com diversos tipos de atrações, de acordo com Marcionei e a intenção é que ocorram uma vez por mês. “O intuito é fomentar o turismo, uma vez por mês fazendo esse passeio as pessoas virão conhecer Lontras, isso trará investimentos pois pessoas de fora conhecem nossa cidade e nosso potencial e acabam investindo aqui. Também tem o lado social, nossas crianças, a gente já viu quando fizemos o passeio que elas pulavam de alegria, foi bem gratificante”, finaliza.

A rede ferroviária

A Estrada de Ferro Santa Catarina (E.F.S.C.), foi implantada no início do século XX para ligar Blumenau aos povoados que começavam a surgir ao longo do Rio Itajaí-Açu. Uma obra planejada e construída fora do alcance de enchentes. Em Lontras a estação foi inaugurada em 1º de abril de 1929 e levou o nome de “Estação Victor Konder” homenageando o ministro de Obras e Viação, Victor Konder, que era catarinense e contribuiu para a continuidade das obras. Somente em 1932 seria inaugurado o trecho até Rio do Sul e em 1.937 se inaugurava o trecho Rio do Sul até Barra do Trombudo, após a construção da monumental estação de Rio do Sul em 1930.

A ferrovia até o final da década de 50 era fundamental para o abastecimento das comunidades, indústria e comércio da região e as estações eram os locais mais importantes de qualquer localidade, já que nesses locais se concentrávamos serviços de telégrafo, telefone e correio.

Foi no ano de 1971, no dia 12 de março que o apito da máquina a vapor foi ouvido pela última vez, pois na década de 60 com a construção de estradas e asfaltamento das rodovias existentes o transporte começou a ser realizado com mais pressa por vias terrestres e não havendo mais interesse na continuidade, o transporte ferroviário foi desativado na região.

Reportagem: Cláudia Pletsch/Diário do Alto Vale

Comente