Brasil

Bebê que nasceu com 7kg no Pará está entre os 10 maiores do mundo

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

O casal de agricultores Francilene do Espírito Santo Araújo e Paulo César Santana Evangelista, moradores da localidade de Igarapé Mocoonzinho, no município de Acará, nordeste do estado do Pará, receberam de presente de Natal o nascimento de Estefany Araújo Evangelista.

Estefany nasceu no último dia 15 deste mês na maternidade da Fundação Santa Casa do Pará pesando 7.038 Kg e medindo 61 cm, um verdadeiro superbebê.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

A título de comparação, um bebê nasce com peso médio entre 2,5 kg e 3,999 kg – acima desse peso, é considerado um bebê GIG (Recém-nascido cujo peso de nascimento é superior ao de 90% dos recém-nascidos com a mesma idade gestacional). Segundo um levantamento em um site sobre Superbebês, a criança paraense pode figurar entre os 10 maiores bebês já nascidos no mundo.

“Com esse peso acima de 7 kg é preciso investigar as causas que estimulam todo esse crescimento”, diz a médica.

A bebê chegou ao mundo após uma gestação de nove meses. Segundo o enfermeiro obstetra, Antônio de Pádua, servidor há 35 anos na Santa Casa, essa foi a maior criança que ele soube já ter nascido, em todos os tempos, no centenário hospital.

Primeira gestação

Essa foi a primeira gestação de Francilene. Ela acredita que a filha nasceu grande porque comeu muito durante a sua gestação.

“A médica disse que a minha filha precisa ficar mais um pouco aqui por causa que nasceu muito grande. Lá em casa, souberam que ela é grandona pelas fotos do celular”.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

A médica pediatra neonatologista da Fundação Santa Casa, Olívia Mota, falou sobre o estado de saúde da pequena Estefany e explicou que ela foi para UCI por ser uma bebê muito grande e com risco de fazer hipoglicemia, e se cansou quando nasceu.

“Ela teve uma discreta melhora, mas ainda segue em tratamento com antibiótico. Ainda não conseguimos tirar o soro devido ao episódio de hipoglicemia. Ela já foi avaliada pela cardiologista, que passou medicação, e vai precisar ser acompanhada por esse profissional após a alta, mas por enquanto a gente mantém a medicação que a cardiologista orientou. Para receber alta, a gente precisa terminar o tratamento de antibiótico”, informa a médica.

A médica Olivia Mota diz ainda que durante a gestação, a mãe desenvolveu o diabetes gestacional.

“As mães que têm diabetes gestacional dão à luz a crianças muito grandes, normalmente são bebês maiores que quatro quilos, e não tão grandes quanto a nossa Estefany que surpreendeu pelo peso que nasceu. Uma das prováveis causas da Estefany ter nascido tão grande foi a diabetes gestacional da mãe”.

Amor de pai –  Paulo César Santana Evangelista, pai de Estefany, diz que a comunidade onde mora está esperando por ela. Durante a vinda da minha esposa para Belém foi feita uma campanha de oração para Deus realizar um milagre na vida da minha bebê.

Super Estefany Araújo Evangelista. – Foto: Santa Casa do Pará/Divulgação ND
Francilene do Espírito Santo Araújo e Paulo César Santana Evangelista com a superbebê. “Não vejo a hora dela chegar lá em casa, os avós possam vê-la e os dois irmãos dela, que tive no primeiro casamento. Agora Deus nos deu a Estefany. Estou muito feliz por isso. Ela será o xodó da família. O que mais quero é vê-la em casa. A expectativa agora é cuidar dela, vê-la crescer e educar que é um dos primeiros caminhos de tudo”, diz o pai todo esperançoso. – Foto: Santa Casa do Pará/Divulgação ND

Fonte: ND+


Comente