SC

Casas populares em SC ficarão no nome de mulheres; entenda

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

O programa do governo de Santa Catarina que irá construir mil casas populares vai dar prioridade às mulheres. O regime de comodato, por período a ser definido pelas prefeituras, dará cessão de uso dos imóveis a elas. A medida se explica por duas razões principais: evasão escolar e violência doméstica.​

Segundo o secretário de Desenvolvimento Social e Habitação (SC), Claudinei Marques, em caso de separação do casal, muitas vezes as mulheres são obrigadas a deixar o lar e isso compromete a permanência das crianças na escola, com a necessidade de mudança de residência.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

Outra situação, não menos importante, são os casos de agressões. “Em muitos casos as mulheres são expulsas de casa”, explica o secretário. O contrato estar em nome das mulheres é uma forma de garantir a permanência dela no lar e a retirada do agressor.

O SC + Moradia irá atender 61 cidades catarinenses com os piores índices desenvolvimento humano (IDH). O valor total do investimento é de R$ 70 milhões e cada casa deverá custar até R$ 70 mil. As residênciais, de 50 m², terão dois quartos, sala e banheiro.

Os recursos serão repassados às prefeituras e estas serão responsáveis pela construção.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

Urupema, São Joaquim, Bom Jardim da Serra, Campo Belo do Sul e Cerro Negro serão as primeiras cidades contempladas.

“Nós não queremos que as pessoas se acomodem. Queremos ensinar elas a vencer, a contrapartida de quem receber a casa, de forma temporária, é dar-lhes capacitação e manter os filhos na escola”, diz o secretário.

O programa será lançado no dia 19 de outubro, em Florianópolis.

Fonte: Por Renato Igor NSC TOTAL


Comente

banner-delta-ativa