Esporte

Catarinense está na final e busca inédito ouro na Classe 10 para o Brasil no Paralímpico

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

A catarinense Bruna Costa Alexandre de 26 anos natural de Criciúma, é finalista da classe 10 dos Jogos Paralímpicos. A mesa-tenista brasileira venceu a taiwanesa Tien Shiau Wen, por 3 a 1 (12/14, 11/6, 12/10 e 11/7), na madrugada deste sábado (28), no Ginásio Metropolitano de Tóquio. Com isso, disputará sua primeira final paralímpica. 

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

Em exuberante forma, a catarinense Bruna Alexandre se permite sonhar em vencer a classe dominada há quase 20 anos pela polonesa Natalia Partyka, mas que foi derrotada na semifinal, pela chinesa naturalizada australiana Qian Yang. O jogo decisivo entre Bruna e Qian acontece na segunda-feira, às 6h45.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

Bruna teve que amputar o braço direito aos seis meses de vida após uma trombose, provocada por injeção mal aplicada. Na carreira, conquistou a medalha de bronze no individual e nas duplas nos Jogos de 2016, no Rio de Janeiro, além do bronze no Mundial da China, em 2014.

Blumenauense na Classe 9

A atleta Blumenauense da classe 9 feminina, Danielle Rauen não conseguiu a vaga para a próxima fase. Ela foi superada pela chinesa Xiong Guiyan, por 3 a 0 (11/5, 11/4 e 11/4). Agora, se prepara para a disputa de equipes, onde foi medalhista nos Jogos do Rio, ao lado de Bruna Alexandre e Jennyfer Parinos. Outra que não conseguiu avançar na competição foi Lethícia Lacerda, na classe 8. Ela perdeu para a chinesa Huang Wenjuan, por 3 a 1 (6/11, 11/8, 1/11 e 7/11).

Bruna Costa Alexandre em busca do ouro inédito e a vitória 

O primeiro set da semifinal foi equilibradíssimo do jogo desta madrugada de sábado (28). Bruna Alexandre chegou a ter um set point, quando vencia por 10 a 9, mas não conseguiu fechar. A partir daí, trocaram pontos, até que Tien Shiau Wen finalmente finalizou, com 14 a 12 no placar.

Na segunda parcial, novamente muito equilíbrio no início, até a metade. Foi quando Bruna Alexandre começou a variar seu efeito, forçando os erros da adversária. Assim, abriu vantagem no placar e conseguiu empatar o confronto.

O terceiro set começou com a atleta taiwanesa abrindo vantagem de 5 a 1 no placar. Bruna Alexandre conseguiu uma reação extraordinária quando perdia por 9 a 5, virando o jogo. A partir daí, com a confiança em alta, a brasileira passou a impor seu ritmo. O quarto set que começou novamente equilibrado, teve a atleta do país com uma atuação taticamente perfeita, garantindo a vitória e o passaporte para sua primeira final paralímpica.

Após o ponto final, Bruna Alexandre vibrou intensamente ao lado da delegação brasileira no Ginásio Metropolitano. Depois de respirar bastante, falou sobre a grande vitória.

“Estou sem palavras! Muito emocionada pela grande vitória de hoje. Era um jogo muito difícil para mim. Consegui sair dos momentos muito difíceis, onde achei que não conseguiria me adaptar a esse estilo de jogo tão rápido. Eu pensava: ‘Consegui fazer esse trabalho durante quatro anos, eu tenho que confiar nesse trabalho. Eu vou lutar, mesmo perdendo’. Foi o que eu fiz e consegui virar o jogo. Eu queria agradecer a toda a equipe. Os técnicos Paulo Molitor, Andrews Martins, Celso Toshimi, Alexandre Ghizi, a nossa fisioterapeuta Cris, a equipe médica do Comitê Paralímpico. Não acabou ainda. Eu quero continuar fazendo história no tênis de mesa brasileiro”, avisou Bruna Alexandre.

Fonte: Vale do Itajaí Notícias


Comente

banner-delta-ativa