Brasil

Eclipse parcial da Lua pode ser observado na madrugada desta sexta

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Um eclipse parcial da Lua poderá ser observado na madrugada desta sexta-feira (19). É também chamado de eclipse de ‘microlua’, que é quando o satélite está no ponto mais afastado da órbita ao redor da Terra.   

O fenômeno poderá ser observado totalmente na América do Norte e em alguns países da América do Sul.  Aqui no Brasil, apenas o início do fenômeno poderá ser contemplado, previsto para às 4h20, no horário de Brasília. O ápice deve ocorrer por volta das 6h, também no horário de Brasília.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

As cidades do centro-norte do país terão melhores condições de visibilidade, entre elas as capitais Manaus, Rio Branco, Porto Velho, Boa Vista e Cuiabá. Isso porque nestes locais a Lua se põe após o ápice do eclipse.

Os moradores de Macapá, Belém e Campo Grande também poderão acompanhar parte do fenômeno. Já quem mora nas cidades da faixa litorânea do país, a Leste, dificilmente observará o obscurecimento lunar.

Além do eclipse, outro espetáculo será a cor da Lua nesta madrugada que deverá ficar em tons de vermelho ou laranja.

Segundo o professor do Instituto Federal de Santa Catarina, Marcelo Schappo isso ocorre ‘’porque a luz do Sol interage com a atmosfera terrestre e é desviada para dentro da sombra do nosso planeta, atingindo a Lua.’’

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

Embora os eclipses lunares – alinhamento do Sol, Terra e Lua –  sejam considerados raros, neste caso a sombra da Terra encobrirá cerca de 97% da Lua, por isso é considerado parcial e é um pouco mais frequente do que quando há a cobertura total do satélite.

Após o evento lunar desta sexta-feira (19), o próximo eclipse com boa visibilidade aqui do Brasil será total em maio de 2022.

Neste ano, ainda há previsão da chuva de meteoros Geminídeas, em dezembro. O ápice da visualização dos meteoros no céu noturno será na madrugada do dia 14 de dezembro.

Edição/fonte: Beatriz Arcoverde/Agência Brasil


Comente