Santa Catarina

Em Santa Catarina, círculos misteriosos surgem em propriedade

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Círculos misteriosos foram vistos em uma plantação de trigo em Entre Rios, no Oeste de Santa Catarina, e chamaram a atenção de moradores da região. Os chamados agroglifos foram encontrados pelo produtor rural Claudecir Pavan, no último fim de semana, que ficou surpreso ao ver o tamanho e o detalhe dos desenhos.

+ Faça parte do nosso grupo de notícias no WhatsApp, acesse aqui!!

Os moradores afirmaram não ter visto nenhuma movimentação diferente nos últimos dias que pudesse ter relação com os desenhos. São vários círculos no centro e dois menores aos lados.

ET’s?

Os círculos misteriosos intrigam os moradores que levantam a hipótese de serem feitos por seres extraterrestres. A ausência de provas concretas que confirmem a procedência dos desenhos mantém o mistério sem resolução.

Daniela Oruoski, sobrinha do produtor Claudecir Pavan, quis conferir de perto os círculos. Segundo ela, o primeiro impacto é de dúvida, por se tratar de algo estranho.

– Sempre ouvi falar que aparecia em Ipuaçu, uma cidade vizinha, mas nunca tinha visto de perto. Quando comecei a observar os detalhes do trigo vi que as dobras eram perfeitas. As medidas e a distância entre os círculos também eram exatas. Não acredito que um ser humano tenha tamanha habilidade para fazer isso sem deixar rastros – disse em entrevista a NDTV.

Surgimento

Os agroglifos aparecem em Santa Catarina desde o ano de 2008. Os primeiros foram registrados em Ipuaçu, mas essa foi a primeira vez que os círculos são encontrados em Entre Rios. De acordo com o ufólogo Ivo Dohl o fato registrado no município é um desenho grosseiro.

– A autenticidade dos agroglifos se comprova não só pela energia do local como pela beleza, harmonia e perfeição nos detalhes em que as plantas ficam acamadas por uma pressão que entende-se seja feita por algo tão sutil, uma energia que desconhecemos como é utilizada e também as paredes laterais do trigo em perfeita harmonia. Além disso a disposição do trigo rente ao solo que em muitos casos se entrelaça como se os pés fossem colocados lado a lado ou um sobreposto ao outro. Entre Rios não tem nada de extraterrestre, não fui ao local, mas pelas imagens aéreas e do solo, até quem não entende já sabe que é um desenho grosseiro – comenta.

Ainda de acordo com Ivo, os agroglifos são belas mensagens de paz dizendo que existe sim vida fora da terra.

– Acreditar na presença se seres que habitam planetas próximos ou distantes, e até mesmo nas redondezas, no interior da Terra é o mesmo que acreditar em Deus, onipresente, onisciente que não vemos, mas suas obras e sua criação tão presentes. Como será que os extraterrestres nos chamam? Terráqueos, terralienígenas ou sabe se o quê? Enfim, entrando nesse ponto, Ets existem e são tão reais quanto a nossa própria vida. Um exemplo: estamos vivendo uma pandemia e não temos ‘naves’ para nos socorrer tirando daqui, do planeta Terra. “Eles’ tem recursos para ir e vir usando seu conhecimento e tecnologia para vencer distâncias e percorrer o universo. Cito dois exemplos: o caso Antônio Nelso Tasca – Chapecó dezembro de 1984 que foi levado a um local no interior da terra e muito antes, um patroleiro de Sarandi. Artur Berlet, que foi levado a um planeta chamado Acart, lá nos anos 50. Foi o primeiro ser humano a ver que nosso planeta era azul, muito antes dos astronautas da terra irem para o espaço.  Os agroglifos são belas mensagens de paz dizendo que existe sim vida fora da terra e que esses nossos irmãos estão próximos acompanhando nossos passos e a evolução de cada um. Finalizando, é uma pena que esse registro de Entre Rios não pode ser considerado, pois sua construção mostra isso. Tem um registro no Google Earth bem próximo de Xanxerê em que alguém fez duas imagens numa plantação em que fizeram o símbolo do Inter. Agora responder porque não apareceram mais em Ipuaçu é uma pergunta que deve ser endereçada aos autores, se eles vierem a se manifestar, somos expectadores querendo que um dia possamos conviver em harmonia e sem medo de quem nos acompanha de perto – conclui Ivo.


Comente