Santa Catarina

Explosão destrói casa de dois andares em SC

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Uma explosão em uma casa de dois andares, em Jurerê, no Norte da Ilha de Santa Catarina, mobiliza guarnições dos bombeiros na manhã desta terça-feira (25). Segundo moradores, a residência colapsou por volta das 8h30, afetando, inclusive, unidades vizinhas.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

A casa fica na rodovia Jornalista Maurício Sirostki Sobrinho, na região da praia de Canajurê. Informações das equipes de resgate dão conta de que há uma mulher presa aos escombros.

Um maquinário pesado foi deslocado à área, por volta das 10h45, para acessar os destroços. O primeiro-tenente Guilherme Cesário, do CMBSC, informou que os agentes tentaram contato sonoro com a vítima, que tem cerca de 50 anos, mas não houve comunicação.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

Segundo os bombeiros, a causa da explosão ainda é desconhecida, mas “provavelmente foi um vazamento de GLP”, informou o superintendente de Urgência e Emergência da Secretaria de Estado da Saúde, Diogo Losso. “É uma edificação multifamiliar de dois andares, com quitinetes“, completou.

Casas e carros nas proximidades também foram danificados com o desabamento. A Defesa Civil da Capital está no local avaliando a situção.

Cerca de 15 bombeiros prestam atendimento nesta manhã. Equipes da Força-tarefa do CBMSC (Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina) também auxiliam nos trabalhos.

Clima de incertezas

Alisson Natan Bastos, de 25 anos, vizinho da quitinete colapsada, contou que estava dormindo quando ouviu a explosão. “Parecia cena de filme. Tudo mexeu, veio junto”, relatou. Apesar de morar no mesmo terreno, existem duas construções no local. A casa dele não foi diretamente atingida, mas todos os móveis ficaram destruídos com o impacto da queda.

A avó dele, de 64 anos, moradora do Paraná, estava na mesma casa, visitando o neto, e teve ferimentos leves no rosto e na perna.

No momento, todas as casas do terreno, assim como a residência aos fundos das quitinetes, estão interditadas. Ainda não há informações sobre risco de novos desabamentos.

NDMais

Comente