Alto Vale

Família de Moisés pede ajuda

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Lutar pela vida e comemorar cada pequena vitória, um dia de cada vez. Essas têm sido algumas das lições aprendidas pela família do pequeno Moisés, um guerreiro de menos de quatro meses, que nasceu com vários problemas de saúde e que luta pela vida diariamente. Além da situação delicada de saúde, os pais do menino enfrentam ainda outro dilema, conseguir se manter em uma cidade distante sem poder trabalhar e por isso contam com a ajuda da comunidade.

+ Faça parte do nosso grupo de notícias no WhatsApp, acesse aqui!!

O menino de Rio do Sul precisará passar por um transplante, mas isso só será possível quando ele pesar pelo menos 10 quilos, o que está bem longe do peso atual que é de apenas quatro quilos. Até lá deve permanecer internado sem previsão de alta.

A mãe, Midiã Franz Lichtenfels, conta que não pode mais trabalhar porque precisa cuidar do filho. Já o pai do menino, André Claudino Lichtenfels, segue trabalhando como auxiliar de produção, mas a família tem enfrentado cada vez mais dificuldades para se manter longe de casa. Tentando ajudar, amigos lançaram uma vaquinha virtual onde a comunidade do Alto Vale pode contribuir. Para doar basta acessar: http://vaka.me/1575986

Pequeno Guerreiro

A mãe do bebê, que é moradora de Rio do Sul, conta que o filho nasceu no dia 5 de agosto com 37 semanas e já apresentou problemas de saúde. “Ele nasceu com rins policísticos e dilatados que são os rins muito grandes. Os rins dele tem o tamanho de uma criança de 10 anos e logo também foi diagnosticado uma hérnia inguinal”, relata.

Com menos de um mês de vida ele fez a primeira cirurgia para resolver o problema da hérnia, mas acabou não se recuperando como o esperado. Os médicos descobriram então que os rins da criança estavam comprimindo o intestino e no dia 11 de setembro ele teve que passar pela segunda cirurgia. “Eles retiraram o rim esquerdo, mas o outro rim que ele tinha também estava com problemas e entrando em falência. Desde então ele faz diálise e já pegou duas bactérias. No dia 10 de outubro fez a terceira cirurgia para traqueostomia”, relata.

Ela comenta que apesar do diagnóstico dos médicos não ser o melhor, a família acredita na recuperação do pequeno. “Apesar de ter apenas um rim e fazer diálise, o rim dele continua crescendo e o diagnóstico dos médicos não é muito favorável, mas meu filho é um guerreiro e temos fé e esperança que ele vai se recuperar”, finaliza a mãe.


Comente