Brasil

Fiocruz estuda produzir primeiro remédio antiviral de uso oral contra a Covid-19

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) estuda produzir o medicamento oral da MSD (Merck Sharp & Dohme) contra a Covid-19 chamado Molnupiravir, que pode reduzir em cerca de 50% o risco de hospitalizações e mortes pelo vírus.

Conforme divulgado pela Fiocruz em comunicado, os termos do acordo ainda estão sendo discutidos pelos laboratórios envolvidos.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

“A Fiocruz, por meio de seu Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz), está em diálogo avançado com a farmacêutica americana MSD (Merck Sharp & Dohme) para definir a melhor forma de acesso à população brasileira e um modelo de cooperação técnica”, afirma.

Além disso, as negociações entre a Fiocruz e a MSD incluem a possibilidade de estudos futuros para avaliar o antiviral no enfrentamento de outras infecções, como dengue e chikungunya.

O medicamento molnupiravir

Molnupiravir é um remédio antiviral que está sendo testado pela farmacêutica Merck em parceria com a empresa Ridgeback Biotherapeutics como uma das alternativas para tratar a infecção pelo coronavírus.

O objetivo é realizar o tratamento via oral por meio de pílulas no início da infecção. “Caso seja autorizado o uso, o molnupiravir poderia ser o primeiro medicamento antiviral de uso oral contra a covid-19”, afirmou a Merck por meio de comunicado. A medicação inibe a replicação do vírus no organismo.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

Medicamento e variantes

As primeiras informações indicam que o remédio é eficaz quando se trata de variantes. Isto porque o molnupiravir não tem como objetivo atingir a proteína spike do vírus, ou seja, aquela que define as diferenças entre as variantes. Assim, se mostra eficaz ainda que ocorra uma evolução do vírus.

Para interromper a replicação no organismo, o medicamento foi projetado para produzir erros no código genético do vírus, o que impede sua proliferação.

Fonte: ND+


Comente