Santa Catarina

‘Fiquei calada apanhando para evitar isso’, diz mãe de jovem morta a facadas pelo pai em SC

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

A mãe de Géssica Tizon, de 21 anos, assassinada em 12 de abril com ao menos três golpes de faca em Rodeio, no Vale do Itajaí, publicou uma mensagem nas redes sociais na quinta-feira (23) em que fala sobre as ameaças e agressões sofridas pelo ex-companheiro, que é pai da vítima e suspeito de matá-la.

Faça parte do nosso grupo de Notícias no WhatsApp, clique Aqui!

“Eu fiquei calada apanhando para evitar isso e ele, aquele covarde, monstro, fazer isso com minha bonequinha”, escreveu.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

O suspeito, de 42 anos, está preso preventivamente desde o dia do crime. Além da filha, o homem esfaqueou a ex-companheira, de 39 anos, segundo a polícia. Os avós, de 56 e 61, e o tio, de 34, também foram atacados pelo pai de Géssica.

Na postagem na rede social lamentando a perda da filha, ela ainda falou sobre o medo que sentia de os filhos serem agredidos pelo pai.

“Sou culpada por não sair antes [de casa], mas eu tinha medo de que ele fizesse o que fez, só que a ameaça era com nosso três filhos. […] Estou sofrendo tanto, sinto tanta falta, choro e isso não assa, esse pesadelo não tem fim. Tenho meus dois pequeninos, mas sinto falta dela”, disse. O G1 tentou falar com mulher, mas ela não quis dar entrevista.

Segundo a Polícia Civil, o suspeito tinha histórico de violência doméstica, mãe da vítima não denunciava as agressões e nem comentava com a família, pois era frequentemente ameaçada.

No entanto, no dia do crime, ela foi até a delegacia, pediu medida protetiva e saiu da casa em que vivia com o suspeito. A polícia investiga se a mudança de casa motivou o crime.

Segundo o delegado Filipe Martins, que assumiu o caso na quinta-feira, nos próximos dias outras pessoas devem ser ouvidas. Não há informações sobre quando a investigação será finalizada.

De acordo com os depoimentos repassados ao delegado Ronnie Reis Esteves, que atendeu a ocorrência inicialmente, o pai de Géssica foi até a casa dos avôs da jovem no fim da tarde do dia 12 de abril atirando. Depois ele agrediu as pessoas que tentaram defender a então companheira.

Apenas os dois irmãos mais novos da vítima não foram feridos. A primeira pessoa a tentar segurar o homem foi o sogro, que acabou esfaqueado na cabeça. Logo em seguida, a sogra foi tentar afastar o homem, mas também não conseguiu e foi ferida com golpes de faca.

Depois, o cunhado tentou apartar o ataque, mas também não teve êxito. O homem então foi até a companheira e a agrediu. Segundo o delegado, Géssica viu a situação e foi tentar defender a mãe e acabou sendo atingida pelos golpes de faca.


Comente