Rio do Sul

Hospital Regional de Rio do Sul volta a realizar cirurgias eletivas

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

A redução no número de pacientes internados com suspeita ou confirmados pela COVID-19 possibilitou a retomada das cirurgias eletivas no Hospital Regional de Rio do Sul. A decisão foi tomada pela diretoria da Fundação de Saúde do Alto Vale do Itajaí e a direção técnica. De acordo com o diretor-técnico da instituição, médico Marcelo Vier Gambetta, a princípio estão sendo chamadas as pessoas que já estavam com o procedimento agendado, antes da última suspensão, ocorrida no dia 20 de novembro. Apenas dois pacientes com o diagnóstico de positivos, estavam internados em enfermaria e sete na UTI que recebe exclusivamente pacientes com a doença, nesta segunda-feira (8).

Faça parte do nosso grupo de Notícias no WhatsApp, clique Aqui!

A retomada está ocorrendo de forma gradual até mesmo porque parte dos leitos do 5º andar estão comprometidos com a UTI exclusiva para COVID. “Agora com a situação mais confortável no número de internações dos casos suspeitos ou confirmados na enfermaria, vamos conseguir realizar os procedimentos cirúrgicos em razão da grande demanda”. Gambetta observou que historicamente já existe um represamento das eletivas, mas com a determinação do governo do Estado de suspender todas desde o dia 20 de março, o número aumentou. Ele não sabe prever quanto tempo que levará para a situação voltar ao normal.

O diretor-técnico adiantou que num primeiro momento estão sendo chamados os pacientes que tinham agendamento previsto na data da última suspensão. A responsabilidade pela convocação é do hospital. “Na sequência volta a fila definida pelo sistema de regulamentação, por prioridade, com os casos mais graves sendo num primeiro momento”. Gambetta observou que a única forma de reduzir essa fila é o governo do Estado autorizar a realização de mutirões, com a estabilização da pandemia. O Hospital Regional de Rio do Sul tem sete salas de cirurgia, sendo que seis estão disponíveis neste momento da retomada das eletivas, que necessitam de internação, mas não com tempo prolongado, para atender o maior número de pessoas.


Comente