Alto Vale

Jovem indígena puérpera morre aos 26 anos por Covid-19 no Alto Vale

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

A morte da puérpera Xokleng Daniela Caxias, de 26 anos, por Covid-19 acendeu o alerta na Aldeia Figueira, na Terra Indígena La Klãnõ, em Vitor Meireles, no Alto Vale do Itajaí.

Daniela deu à luz um bebê no Hospital Doutor Waldomiro Colautti, em Ibirama, na mesma região, e recebeu alta. Dias depois, em casa, começou a apresentar sintomas da doença. Encaminhada para o hospital na cidade de Vitor Meireles, foi testada e teve resultado positivo para Covid.

Daniela morreu no sábado (14) no hospital de Ibirama, para onde tinha sido transferida. Havia tomado as duas doses da vacina. Ela deixa dois meninos e o marido. A morte dela foi incluída em boletim da Secretaria de Saúde de Santa Catarina com os dados atualizados da pandemia no Estado.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

O filho de Daniela está aos cuidados do pai e de familiares próximos. Nas redes sociais, o marido sinalizou o luto pela esposa e postou fotos da família. Segundo parentes, ela não tinha comorbidades.

A semana já tinha sido triste para o povo Xokleng pela perda de duas pessoas respeitadas na comunidade. Na segunda-feira (9), morreu Aniel Priprá, uma das maiores lideranças, e no dia seguinte, Alfredo Patté, também ex-cacique, e que enfrentava problemas de saúde.

Priprá morreu em consequência de complicações após uma cirurgia cardíaca. Uma das principais lutas de Aniel foi o complexo de barragens para contenção de cheias e que avançou sobre a terra indígena.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

Fonte: NSC TOTAL


Comente