Santa Catarina

Mais de 527 mil alunos voltam às aulas na rede estadual de SC nesta quinta-feira

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Os 527 mil alunos da rede estadual de ensino voltam às aulas nesta quinta-feira (18) em Santa Catarina. O retorno ocorre depois de 11 meses de escolas fechadas por causa da pandemia do novo coronavírus, com praticamente um ano letivo inteiro feito por videoaulas e atividades remotas nas 1.063 escolas catarinenses. Nas escolas particulares e na maior parte das redes municipais, as aulas já foram retomadas ao longo da primeira quinzena de fevereiro.

Faça parte do nosso grupo de Notícias no WhatsApp, clique Aqui!

O retorno das aulas ocorre nos modelos presencial, misto ou on-line. Dos 527 mil alunos, 18% optaram por seguir no ensino remoto. Isso significa que 94,8 mil retomam as atividades a distância nesta quinta. Por outro lado, 82% dos alunos manifestarem preferência pelo formato presencial. Com isso, 432 mil estudantes poderiam voltar para as escolas no formato tradicional ou híbrido a partir desta quinta. Esse número, no entanto, deve ser menor porque muitos municípios, como Chapecó, determinaram que as aulas ocorram somente no formato remoto, por causa da situação da pandemia.

A esperada volta às aulas vai ocorrer ainda em um contexto de pandemia, com uma série de protocolos e medidas de prevenção contra a Covid-19. Uma delas é o distanciamento de 1,5 metro entre os estudantes nas carteiras e também em outros espaços durante intervalos e horários de refeição. A utilização de álcool gel para higienizar as mãos na entrada das escolas e o uso de máscaras, obrigatório para crianças acima de 6 anos, também farão parte da nova rotina escolar.

Neste retorno as escolas podem optar por três modelos diferentes para a retomada das aulas: totalmente presencial, misto ou totalmente on-line. Mais de um desses formatos podem ocorrer até mesmo entre turmas diferentes de uma mesma escola. Até a noite desta quarta, não havia números de quantas escolas iriam adotar cada modelo. No entanto, a previsão é de que poucas escolas retornassem ao modelo 100% integral – a maioria instituições do interior, com menos de 200 alunos e espaços maiores disponíveis. Com isso, o formato misto seria o com mais adesão neste momento. Confira a diferença entre os três modelos:

100% presencial: autorizado nas turmas em que for possível manter distanciamento de 1,5 metro entre as carteiras

misto: em turmas com muitos alunos, eles se revezam entre “Tempo Escola”, com atividades presenciais nas instituições, e “Tempo Casa”, com ensino remoto. A alternância ocorre para permitir a adoção das medidas sanitárias nas salas de aula que não comportam todos os estudantes ao mesmo tempo com distanciamento. As escolas receberam sugestões de grade horária para este formato da Diretoria de Ensino da Secretaria de Estado da Educação (SED). A definição de horários e dias da semana com atividades para cada grupo será das escolas.

100% remoto: a ser adotado para alunos do grupo de risco, casos em que os pais prefiram manter o filho em casa ou em escolas que não estejam com infraestrutura adequada para o retorno.

Pais podem optar por manter filhos no ensino remoto

Os pais que preferirem manter os filhos em casa, estudando apenas pelo formato 100% on-line, poderão fazer esta escolha assinando um termo de compromisso. Esse termo pode ser suspenso caso os pais mudem de ideia, desde que a escola seja informada com pelo menos sete dias de antecedência para planejar o retorno do aluno ao formato misto ou 100% presencial.

Nas escolas particulares e na maior parte das redes municipais, as aulas já foram retomadas no início de fevereiro, também com medidas de prevenção contra a Covid-19. Blumenau e Joinville, por exemplo, voltaram a receber os alunos no dia 8 deste mês. Em Florianópolis, o ano letivo começou no dia 10, mas de forma 100% digital por causa da alta de casos de Covid-19. Os alunos vão voltar para a sala de aula somente no dia 10 de março, em modelo misto.

Alunos com sintomas gripais não devem ser enviados à escola

As famílias não devem encaminhar para as escolas alunos com qualquer tipo de sintoma gripal. Também é preciso comunicar a escola caso ocorra algum caso de Covid-19 na família para acompanhamento de grupos que possam ter tido contato com a criança. Caso o estudante apresente sintomas na escola, a família será chamada para busca-lo e comunicar a rede de saúde. Grupos que tenham tido contato eventual com o aluno serão acompanhados.

A Vigilância Epidemiológica do município é o órgão que vai analisar os casos e definir se é necessário colocar todos os alunos da turma em isolamento, se a escola deverá ser fechada ou qualquer outra medida de prevenção.

Confira algumas das medidas de prevenção nas escolas:

As medidas de prevenção para o retorno das aulas foram definidas em um Plano de Contingência da Educação (PlanCon Edu), com a participação de mais de 15 entidades. Confira abaixo algumas das normas a serem seguidas:

Medição de temperatura

As escolas vão ter medição de temperatura obrigatória na entrada dos alunos. Caso o termômetro marque 37,8°C ou mais, a família será acionada para conduzir o estudante para casa ou para buscar auxílio do sistema de saúde. Durante a espera, o aluno ficará em uma sala específica, sem contato com outras pessoas.

Álcool gel

As escolas também devem disponibilizar álcool gel para higienização das mãos dos alunos, professores e servidores na entrada da unidade. Professores também devem usar máscara e portar álcool gel oferecido pela rede estadual de ensino.

Uso de máscaras

O uso de máscaras será obrigatório para crianças a partir de 6 anos e recomendado para crianças de 3 a 5 anos, desde que ocorra sob supervisão. Bebês e menores de 2 anos não devem usar máscara em função do risco de asfixia.

Intervalos

Os horários de intervalo devem ser escalonados pelas escolas para permitir o distanciamento dos alunos nas áreas comuns. Refeitórios também só poderão ocupar um terço da capacidade por vez.

Educação física e áreas de lazer

As atividades das aulas de educação física também devem ocorrer ao ar livre e respeitando o distanciamento de 1,5 metro entre os alunos. Parquinhos e ambientes comuns de lazer deverão ter o uso escalonado entre as turmas e os equipamentos higienizados após o uso.

Entrada de pais

A entrada de pais e pessoas externas ao ambiente escolar será restrita para minimizar a circulação de pessoas nos espaços de ensino.

Compartilhamento de materiais

O compartilhamento de materiais que não podem ser higienizados está proibido. Nos demais casos, poderá haver o uso compartilhado, desde que seja feita a higienização do item com álcool 70%. Professores devem observar e controlar estas situações.

Bibliotecas

As bibliotecas abrirão com limite de 50% de capacidade nas regiões de risco potencial gravíssimo, 75% nas áreas de risco grave e 100% nas áreas de nível moderado e alto.

Transporte escolar

Em regiões classificadas em risco potencial Gravíssimo para o coronavírus, o transporte pode ter até 70% da capacidade de assentos de passageiros sentados. Nas regiões de risco potencial Grave, Alto e Moderado, está liberada 100% da capacidade dos assentos. Está proibida a circulação de estudantes de pé. É obrigatória a aferição de temperatura dos alunos antes de entrar no transporte escolar. Basculantes e janelas precisam estar abertas para circulação do ar, exceto em dias de chuva/frio extremo. Motoristas devem usar máscaras de proteção face shield.


Comente