Santa Catarina

Mulher encontrada morta em SC com o companheiro estava grávida

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Simone Silva Fialho, de 32 anos, encontrada morta ao lado de Evanir Pires dos Santos Taborda, de 34 anos, estava grávida de 11 semanas. A revelação foi feita pela filha da motorista que preferiu não se identificar para a reportagem do Portal ND+. Ela tinha esperança de encontrar a mãe viva. O casal desapareceu no dia 20 de janeiro e os dois foram encontrados mortos no interior de Chapecó, no Oeste do Estado.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

A jovem também contou que sua mãe jamais abandonaria seus irmãos, para viver uma vida amorosa ao lado do companheiro. Com os corpos encontrados na linha Alto da Serra, ela espera o desfecho da Polícia Civil para identificar os autores do crime. “Eu já sabia que a polícia iria procurar por eles, mas fiquei sabendo pela internet porque as pessoas começaram a me mandar mensagens. Tinha esperança de vê-la viva, mas depois de meses, você perde essa esperança. Minha mãe jamais iria sumir, é um baque muito grande saber que ela está morta”, conta a filha de Simone.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

Evanir era casado com Cláudia Regina Bee, mas, mantinha um relacionamento com Simone há cerca de um ano e quatro meses. Segundo a filha, o casal morou junto por um tempo, mas, nos últimos meses, Evanir dormia na casa da esposa, com quem tem um filho de 3 anos. “Eles moraram juntos, mas nos últimos meses, Evanir estava dormindo na casa da Cláudia, mas para gente, eles [Simone e Evanir] eram marido e mulher”, revela a jovem.

Casal feliz

Simone estava grávida de 11 semanas de Evanir. Segundo a filha, a mãe e o companheiro estavam felizes com a gravidez. “Na terça-feira [dia 19 de janeiro] ela me mandou mensagem com a foto do ultrassom [do bebê] e no outro dia aconteceu isso. Evanir me contou que estava feliz porque queria muito mais um filho. A minha mãe gostava muito dele, era apaixonada por ele”, ressalta.

Irmãos mais novos

A filha de Simone, tem outros três irmãos, um jovem adolescente e duas crianças: um menino de 5 anos e uma menina de 1 ano e 7 meses. As crianças estão sob os cuidados de uma babá e seguem acompanhados pelo Conselho Tutelar. “Eles estão bem cuidados. Eu tinha a minha vida no Paraná, o meu irmão também tem a vida dele. É uma situação triste, mas temos que ser fortes”, diz.

Último dia em que o casal foi visto

Simone estava com Evanir na empresa de lavagem de carros da qual ele era sócio. No dia do crime, a babá das crianças ligou para Simone dizendo que a filha dela estava com febre. Simone disse que faria uma corrida em Xaxim, pois trabalhava como motorista de aplicativo, e que na volta levaria o remédio para a filha, o que nunca ocorreu.

“Eu não sei o que pode ter acontecido, eu não acredito que a minha mãe tenha feito algo para dar motivos para matarem ela. Espero que seja desvendado tudo isso, que quem fez pague porque a minha mãe não merecia esse fim”, disse.

Investigação

A Polícia Civil de Chapecó já ouviu mais de 50 testemunhas desde o início da investigação. O delegado da DIC (Divisão de Investigação Criminal), Vagner Papini, contou que o casal foi morto com disparos de arma de fogo e os corpos enterrados no interior de Chapecó a uma distância entre 6 e 10 metros entre cada cova. “Trata-se de dois homicídios, mas ainda é prematuro informar a motivação do crime. A investigação segue e aguarda o laudo da perícia nos corpos”, explicou.

Fonte: ClicSC


Comente