Mundo

MUNDO: Após quase 30 anos “Bebê do Nirvana” processa banda por pornografia infantil

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

O americano Spencer Elden ficou famoso no mundo inteiro como o bebê da capa do álbum Nevermind, do Nirvana, lançado em setembro de 1991. Quase 30 anos depois, porém, ele decidiu processar a banda pelos crimes de pornografia infantil e exploração sexual.

Os advogados cobram US$ 150 mil (cerca de R$ 780 mil na cotação atual) de indenização a Elden, que teria sofrido por toda sua vida por conta do uso de sua imagem nos materias de divulgação do álbum. Na época, os pais de Elden receberam US$ 200.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

“Os réus fizeram uso de pornografia infantil retratando Spencer como um elemento essencial de um esquema de promoção de discos comumente utilizado na indústria da música para chamar a atenção, em que as capas dos álbuns posam crianças em um ambiente sexualmente provocativo para ganhar notoriedade, impulsionar as vendas e atrair a atenção da mídia e crítica”, diz parte do documento divulgado pela defesa. Leia a íntegra do processo aqui.

Nirvana
Spencer recriou a foto recentemente, mas usando bermuda | Reprodução

Caso semelhante com o “Clube da Esquina”

Um caso parecido com o de Spencer contra o Nirvana acontece no Brasil desde 2012, quando os meninos que estampam a capa do disco Clube da Esquina, de Milton Nascimento e Lô Borges, entraram na Justiça contra os artistas pedindo R$ 500 mil por uso indevido de imagem e danos morais.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

Antônio Carlos Rosa de Oliveira, conhecido como ‘Cacau’, e José Antônio Rimes, o ‘Tonho’, ficaram 40 anos sem saber que tinham protagonizado a capa do álbum. A foto foi tirada em 1971, em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, quando a dupla tinha entre 7 e 8 anos. Tanto os amigos quanto seus pais nunca receberam dinheiro pelo uso da imagem. O processo segue na Justiça.

Clube da Esquina

Fonte: SCC10


Comente

banner-delta-ativa