Alto Vale

Rio do Sul atinge 100 mortes causadas pela Covid-19

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Com a morte de uma mulher de 69 anos nesta sexta-feira (21), Rio do Sul completou 100 óbitos de moradores desde o ano passado em função de problemas de saúde causados pela Covid-19. A vítima mais recente estava internada no Hospital Regional Alto Vale desde o dia 17 de maio e tinha comorbidades.

A centésima morte chega em um momento bastante crítico para a cidade em se tratando de internações causadas pela Covid-19. Nesta sexta-feira, 42 pessoas de Rio do Sul estão no Hospital Regional Alto Vale ou em outras unidades hospitalares de Santa Catarina e até mesmo fora do Estado, um recorde desde o início da pandemia. Entretanto, a taxa de letalidade em Rio do Sul está em 1,11%, a nona mais baixa do Alto Vale do Itajaí.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

Em levantamento da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Rio do Sul, pelo menos 87 pessoas que faleceram no município tinham um ou mais tipos de comorbidades. As mais comuns são hipertensão (62 pessoas), diabetes (36), obesidade (12), colesterol (7) e câncer (7). Outras doenças também podem ser identificadas, em menor volume, como cardiopatias, HIV, asma ou bronquite.

Apesar do fato da maioria dos casos que vieram a óbito em Rio do Sul ter algum tipo de doença preexistente, o médico da Secretaria de Saúde, Ricardo Ribeiro, enfatiza que não está claro quais fatores podem levar uma pessoa infectada com o coronavírus a ter sintomas mais agudos, levando-o a internação. De todas as 8.975 pessoas do município que em algum momento tiveram Covid-19, 4,45% precisaram de assistência hospitalar, ou seja, 399 pessoas. E destas, 24,56% faleceram. Vale ressaltar que duas pessoas de Rio do Sul que morreram com Covid-19 não chegaram a ser internadas.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

“É raro uma pessoa com Covid-19 e sem comorbidades precisar de internação hospitalar, mas com nova variante do vírus em circulação, isso ficou menos evidente e muito mais perigoso. Já temos registros de dez internações de moradores na faixa de 20 a 30 anos na cidade, e são pelo menos 43 internados com menos de 40 anos, sendo que dois faleceram. Mas sim há casos de pessoas jovens que não tinham doenças e precisaram do hospital após contraírem a Covid-19, o que é um alerta para que todos tenham muito cuidado e se previnam. A idade não é mais um fator diferencial para você precisar de hospitalização caso tenha piora no quadro clínico”, alerta.

O número de homens que faleceram por Covid-19 em Rio do Sul é de 65 e o de mulheres, 35. Em volume de internados, os homens também lideram com 58% do total até o momento e 42% são mulheres.

65% dos internados já tiveram alta em Rio do Sul

Já são 399 moradores de Rio do Sul que precisaram de internação por causa da Covid-19, o que representa 4,45% de todos aqueles que tiveram a doença na cidade. No total, 11% permanecem internados, 24% foram a óbito e 65% já tiveram alta. Em média, cada paciente que volta para casa passou por internação de 9 a 10 dias.

A faixa de idade entre os rio-sulenses com maior número de internados totais desde o início da pandemia da Covid-19 é para aqueles entre 60 e 69 anos (88 pessoas até o momento) e entre 40 e 49 anos (87 pessoas).

Porém, a faixa com maior proporção de mortes após internação continua sendo a do público mais idoso. Das 13 pessoas internadas acima dos 90 anos, 69% (9 pessoas), faleceram. Entre os 80 e 89 anos, são 62% de mortes, ou seja, 15 dos 24 pacientes. A única faixa de idade que ainda não teve nenhuma internação é dos jovens de 10 a 19 anos e nenhuma pessoa morreu em Rio do Sul com menos de 30 anos.

Prefeito Thomé decreta luto oficial de três dias

Em virtude da marca de 100 mortes por Covid-19 na cidade, o prefeito José Thomé decretou luto oficial de três dias.

“Solidarizo-me com todas as famílias que neste momento lamentam o falecimento de um parente querido e que faz falta. A vida deve ser sempre valorizada e é importante que todos continuem com consciência de que é preciso se cuidar, respeitar as regras e utilizar principalmente o bom senso e a empatia. Se você está saudável e não tem medo da doença, achando que não terá efeito nenhum em sua vida, saiba que você pode transmiti-la direta ou indiretamente para alguém, um chefe de família, uma pessoa querida, alguém que fará falta na vida de outra pessoa”.

Thomé destaca ainda que a melhor forma de reduzir os casos na cidade ainda é a prevenção, o uso de máscara, limpeza constante das mãos, o cumprimento de regras sanitárias e de fiscalização, evitar aglomerações e o distanciamento, além da vacina, quando disponível para cada faixa da população.

Departamento de Comunicação
Prefeitura de Rio do Sul

Comente