BR-470

Trabalhos na BR-470 devem iniciar do mês de agosto

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Os inúmeros buracos da BR- 470 devem causar transtornos aos motoristas pelo menos até a segunda quinzena do mês de agosto.  Até lá, motoristas são obrigados a fazer verdadeiros “malabarismos” sobre rodas para evitar danos e acidentes. Nas últimas semanas, queixas de danos em veículo têm circulado nas redes sociais.

Receba notícias eu seu WhatsApp, clique Aqui

Além de diversas rachaduras e até o “enrugamento” do asfalto causado pelos serviços paliativos de tapa-buracos- que em muitos casos pioram a situação, há ainda o aumentando os riscos de acidentes.

Receba notícias do Alto Vale e Santa Catarina pelo Telegram

De acordo com informações do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT), uma nova empresa deve ser contratada e o edital de contração já foi publicada em Diário Oficial da União, devendo obedecer aos trâmites legais (pregão, recurso e homologação). Após a contratação – conforme já informado no JVN, deve-se começar a restauração do trecho da rodovia entre Ascurra e Apiúna. Os trabalhos devem acontecer entre os meses de agosto e setembro.

Atualmente, serviços paliativos de tapa-buracos acontecem nos principais trechos da rodovia, entre Ibirama e Apiúna.

A má conservação das rodovias não afeta somente os motoristas. Além de colocar em risco a vida de quem trafega por essas localidades, a malha viária deteriorada impacta negativamente no bolso do consumidor, mesmo àqueles que estão bem distantes das estradas consideradas ruins ou péssimas.

A explicação é simples. Mais buracos representam prejuízos aos fretistas. Prejuízo sinaliza aumento no frete. E esse incremento é repassado ao consumidor final. A equação, também simplória, é cruel com o consumidor.

Radar na Serra São Miguel está em operação

Os redutores eletrônicos de velocidade, também chamados de lombadas eletrônicas, que estão instalados nos KMs 120+850 e km 121+350, localizados na Curva da Garapeira na BR- 470,  já estão em funcionamento. O equipamento estava previsto para funcionar em março, mas houve problemas com o fornecimento de energia elétrica no local.

“Tinha dificuldade de fornecimento de energia elétrica e foram instalados displays de energia solar, que também deram defeito. A empresa responsável efetuou a troca e ele está pronto para operar, só faltando a aferição final. Mas os usuários devem considerar que ele está operando”, alertou o superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte em Santa Catarina (DNIT-SC) em Rio do Sul, Cristiano Zulianello.

Ao todo, são 158 quilômetros cobertos pelos medidores de velocidade. O primeiro está no KM 89 em Ascurra e o último está instalado em Curitibanos, no KM 247. Na região do Alto Vale, são oito radares em Rio do Sul, quatro em Pouso Redondo, três em Ibirama, dois em Trombudo Central e dois em Lontras. “ Os demais estão operando normalmente”.

Fonte: Rede Vale Norte de Comunicação


Comente